Voltar

02/12/2014

Levantamento do Sou da Paz identifica que indústria de armas financiou 21 parlamentares eleitos

Recente levantamento do Instituto Sou da Paz, com base em dados registrados no Tribunal Superior Eleitoral, mostra o tamanho da nova bancada da bala, que assume em 2015, e revela que a iniciativa trouxe benefícios palpáveis ao setor, como o PL 3722/2012, que revoga o Estatuto do Desarmamento, e pode ser votado em breve por uma Comissão Especial formada por integrantes da bancada da bala.   

A indústria privada brasileira de armas e munições, monopolizada pela Taurus e pela CBC - Companhia Brasileira de Cartuchos, destinou R$ 1.730 mil para financiar campanhas de 30 candidatos, entre eles deputados federais, deputados estaduais, senadores e governadores. A CBC foi responsável pela doação de 57% desse valor e a Taurus, pelos restantes 43%. Desse valor, R$ 520 mil foram destinados a comitês partidários e a maior parte, no valor de R$ 1.210, foram destinados diretamente a candidatos. 

"O 'esforço' da indústria para eleger representantes foi muito bem-sucedido, pois mais de 70% dos candidatos financiados pela Taurus e pela CBC foram eleitos. A ação da indústria de armas e munições durante as eleições conseguiu ajudar a eleger 21 parlamentares, sendo 14 deputados federais sete deputados estaduais", comenta Ivan Marques, diretor executivo do Sou da Paz.   Nenhum governador ou senador financiado por essas indústrias conseguiu eleger-se em 2014.

Apesar da indústria diversificar seu investimento (foram 13 diferentes partidos e 15 diferentes estados beneficiados), é possível notar algumas preferências importantes. O PMDB e o DEM respondem por 50% do volume recebido pelos partidos, enquanto os estados do Rio Grande do Sul e São Paulo concentram 50% das doações. No caso do Rio Grande do Sul e da Paraíba, mais de 16% da bancada de deputados federais foram financiados pela indústria de armas.