Voltar

07/05/2019

Risco de sofrer crime violento cai em 57% dos municípios de SP e 70% dos DPs da capital em 2018

Em 2018, o risco de sofrer um crime violento caiu em 79 dos 139 municípios paulistas com mais de 50 mil habitantes, o que representa queda de 57%, em relação a 2017. Já nos 86 Distritos Policiais da capital esse mesmo risco caiu em 60, o que equivale a 70% deles. Isso é que revela o último Índice de Exposição a Crimes Violentos (IECV), que faz parte do boletim Sou da Paz Analisa - Panorama 2018, produzido pelo Instituto Sou da Paz. 

[Confira o ranking completo de 2018]

[Confira o ranking completo de 2017]

O IECV é calculado a partir da média ponderada de três subíndices: crimes letais (homicídio e latrocínio), crimes contra a dignidade sexual (estupro) e crimes contra o patrimônio (roubo – outros, roubo de veículo e roubo de carga). O índice foi criado pelo Instituto Sou da Paz para facilitar uma avaliação que agregue várias dimensões da violência e da segurança pública no estado de São Paulo, avaliando diferentes tendências criminais e permitindo uma comparação das estatísticas entre cidades e distritos policiais ao longo do tempo. São analisados, segundo esses critérios, os 139 municípios do estado e 86 DPs da capital com ao menos 50 mil habitantes. 

Quatro dos 10 municípios que mais reduziram o IECV em relação ao ano passado estão localizados na região de Ribeirão Preto (Franca, Olímpia, Taquaritinga e São Joaquim da Barra), com quedas no índice entre 37% e 57%. Entre os 10 municípios cujo IECV mais cresceu em 2018, quatro estão localizados na região de Campinas (Amparo, Jaguariúna, Indaiatuba e Itapira), com incrementos que variaram entre 41% e 49% do índice. A queda mais expressiva entre os municípios em 2018 foi do IECV de Vinhedo, com uma redução de 61%.

Por outro lado, chama atenção que cinco dos 10 municípios em que o IECV mais cresceu em relação a 2017 estivessem naquele ano entre aqueles com a menor exposição a crimes violentos: Jaú, Mococa, Jaguariúna, Indaiatuba e Santos. O caso que mais chama atenção é o de Ibitinga: destacado em 2017 como o município que apresentou a maior redução no IECV (-54%), assumiu o topo entre os municípios com maior aumento do IECV em 2018. 

Dez municípios onde o IECV mais diminuiu em 2018

Município

2017

2018

Variação

Vinhedo

15

5,9

-60,7%

Olímpia

20,4

8,8

-56,9%

Taquaritinga

17,2

9,3

-45,9%

Piedade

22,1

12,2

-44,8%

Franca

15,3

8,6

-43,8%

Paulínia

25,1

14,9

-40,6%

Birigui

18,5

11,2

-39,5%

Andradina

30

18,4

-38,7%

Barueri

25,5

16,1

-36,9%

São Joaquim da Barra

16

10,1

-36,9%

Fontes: SSP/SP, IBGE e estimativas populacionais do NEV-USP. Elaboração: Instituto Sou da Paz. 

Dez municípios em que o IECV mais cresceu em 2018

Município

2017

2018

Variação

Ibitinga

11,8

21,6

83,1%

Jaú

9,1

15,5

70,3%

Mococa

7,6

12,2

60,5%

Jaguariúna

9,9

14,7

48,5%

Penápolis

11,9

17,3

45,4%

Indaiatuba

9,7

14

44,3%

Santos

9,6

13,6

41,7%

Amparo

12,2

17,2

41,0%

Itapira

11,5

16,2

40,9%

Registro

19,8

27,6

39,4%

Fontes: SSP/SP, IBGE e estimativas populacionais do NEV-USP. Elaboração: Instituto Sou da Paz

Entre os distritos policiais, o 90º DP - Parque Novo Mundo impressionou com redução de 44% do IECV em 2018. Também se destacou o 29º DP - Vila Diva, com 40% de redução. Já o 28º DP - Freguesia do Ó apresentou um resultado alarmante, com 80% de aumento do IECV para o período analisado. 

Dez DPs onde o IECV mais diminuiu em 2018

DP

2017

2018

Variação

90º DP - Parque Novo Mundo

33,6

18,9

-43,8%

29º DP - Vila Diva

14,8

8,9

-39,9%

99º DP - Campo Grande

22,2

13,5

-39,2%

21º DP - Vila Matilde

17,4

10,8

-37,9%

40º DP - Vila Santa Maria

21,3

13,4

-37,1%

10º DP - Penha de França

21,8

14,3

-34,4%

91º DP - Ceagesp

23,4

15,8

-32,5%

22º DP - São Miguel Paulista

24,8

17,5

-29,4%

77º DP - Santa Cecília

21,9

15,5

-29,2%

48º DP - Cidade Dutra

24,7

17,5

-29,1%

Fontes: SSP/SP, IBGE e estimativas populacionais do NEV-USP. Elaboração: Instituto Sou da Paz. 

Dez DPs onde o IECV mais cresceu em 2018

DP

2017

2018

Variação

28º DP - Freguesia do Ó

11

19,8

80,0%

43º DP - Cidade Ademar

11,3

17,1

51,3%

20º DP - Água Fria

14

19

35,7%

95º DP - Heliópolis

16,7

22,5

34,7%

44º DP - Guaianazes

24,9

31,8

27,7%

97º DP - Americanópolis

15

18,5

23,3%

75º DP - Jardim Arpoador

19,7

23,7

20,3%

55º DP - Parque São Rafael

17,3

20,8

20,2%

58º DP - Vila Formosa

10,2

11,9

16,7%

15º DP - Itaim Bibi

13,4

15,3

14,2%

Fontes: SSP/SP, IBGE e estimativas populacionais do NEV-USP. Elaboração: Instituto Sou da Paz. 

IECV dos municípios paulistas e distritos policiais da capital entre janeiro de 2014 e dezembro de 2018

Nos últimos cinco anos, o Índice de Exposição a Crimes Violentos médio dos municípios do estado de São Paulo teve queda de 11%, em conformidade com a diminuição geral dos registros de crimes violentos no estado. A redução foi ainda maior para o subíndice de crimes contra a vida: -25% no estado como um todo e -42% na capital. Apenas em relação a 2017, a redução desse índice chegou a 11%.

O único crime violento que foi na contramão dessa tendência de queda foi o estupro, como se pode observar pelo aumento de 15% do IECVdignidade sexual no estado como um todo, indicando um problema que merece atenção especial das autoridades. Somente em relação ao ano anterior, este subíndice cresceu 11% na Grande São Paulo. 

IECV Geral e Subíndices por região (2014-2018)

IECV Geral

Capital

Grande São Paulo

Interior

Estado

2014

24,8

24,9

19,8

21,0

2015

22,0

22,2

18,8

19,6

2016

21,3

21,2

19,4

19,8

2017

20,1

22,1

18,6

19,5

2018

18,7

20,8

18,0

18,7

IECV Crimes Letais

Capital

Grande São Paulo

Interior

Estado

2014

23,6

28,4

21,2

22,8

2015

20,3

24,8

19,8

21,0

2016

17,5

22,1

20,4

20,8

2017

15,0

22,3

18,2

19,1

2018

13,6

18,8

16,5

17,0

IECV Dignidade Sexual

Capital

Grande São Paulo

Interior

Estado

2014

23,1

29,1

29,8

29,6

2015

20,9

25,8

28,8

28,0

2016

23,1

26,4

29,7

28,9

2017

25,3

30,7

32,1

31,7

2018

25,6

34,1

34,1

34,1

IECV Patrimônio

Capital

Grande São Paulo

Interior

Estado

2014

28,9

13,9

7,0

8,8

2015

26,5

13,5

6,6

8,4

2016

27,0

14,2

7,0

8,8

2017

25,2

13,1

6,2

7,9

2018

22,2

11,5

5,0

6,6

Fontes: SSP/SP, IBGE e estimativas populacionais do NEV-USP. Elaboração: Instituto Sou da Paz. 

Ranking – Municípios

Entre os 139 municípios do estado e 86 DPs da capital com mais de 50 mil habitantes, houve grande disparidade no nível de exposição à violência verificado em 2018.Dos 10 municípios mais expostos a crimes violentos em 2018, assim como em 2017, seis fazem parte do Deinter 1 - São José dos Campos: Caraguatatuba, Cruzeiro, Guaratinguetá, Jacareí, Lorena e Ubatuba.      

Dez municípios menos expostos a crimes violentos no estado em 2018

Município

2017

2018

Vinhedo

15

5,9

São José do Rio Pardo

7,1

6

São Caetano do Sul

9,5

6,6

Franca

15,3

8,6

Olímpia

20,4

8,8

Santa Bárbara d`Oeste

11,5

9

Taquaritinga

17,2

9,3

São João da Boa Vista

14,6

9,6

Americana

13,6

9,7

Fontes: SSP/SP, IBGE e estimativas populacionais do NEV-USP. Elaboração: Instituto Sou da Paz.Dez municípios mais expostos a crimes violentos no estado em 2018

Município

2017

2018

Itanhaém

44,2

48,8

Lorena

51

46,3

Guaratinguetá

31,3

40,7

Mongaguá

30

39,4

Caraguatatuba

36,8

38,5

Ibiúna

37

37,7

Ubatuba

28,4

34,5

Arujá

26,7

32

Cruzeiro

26,3

31,9

Fontes: SSP/SP, IBGE e estimativas populacionais do NEV-USP. Elaboração: Instituto Sou da Paz. 

Ranking – Distritos policiais

O 06º DP – Cambuci foi o distrito policial menos exposto a crimes violentos em 2018, e o 12º DP – Pari teve, novamente, o IECV geral mais alto entre os distritos. O 6º DP – Cambuci registrou dois homicídios em 2018, fazendo com que sua taxa de homicídios caísse 45% em relação a 2017, e um latrocínio, causando uma queda de 74% na taxa desse delito. Seguindo o padrão estadual, o único crime a aumentar nesse DP foi o estupro, com 17 ocorrências, resultando em um aumento de 51% na taxa de estupros por 100 mil habitantes. 

Dez DPs menos expostos a crimes violentos em 2018 Dez DPs mais expostos a crimes violentos em 2018

Distrito policial

2017

2018

Distrito policial

2017

2018

06º DP - Cambuci

9,2

8,8

12º DP - Pari

59,7

43,6

29º DP - Vila Diva

14,8

8,9

08º DP - Brás

46,3

40,9

57º DP - Parque da Mooca

9,5

9

25º DP - Parelheiros

29,4

32,3

31º DP - Vila Carrão

13,1

9,5

11º DP - Santo Amaro

32,8

31,8

16º DP - Vila Clementino

10,5

10,1

44º DP - Guaianazes

24,9

31,8

21º DP - Vila Matilde

17,4

10,8

4º DP - Consolação

34,9

31,3

36º DP - Vila Mariana

14,7

10,9

37º DP - Campo Limpo

24,7

25

27º DP - Campo Belo

15,4

11,3

45º DP - Vila Brasilândia

33,5

24,7

96º DP - Monções

14,3

11,5

85º DP - Jardim Mirna

22,6

24,3

35º DP - Jabaquara

13,4

11,8

75º DP - Jardim Arpoador

19,7

23,7

Fontes: SSP/SP, IBGE e estimativas populacionais do NEV-USP. Elaboração: Instituto Sou da Paz.

SOBRE O IECV

O IECV, que integra o Boletim Sou da Paz Analisa, é calculado a partir da média ponderada de três subíndices: crimes letais (homicídio e latrocínio), crimes contra a dignidade sexual (estupro) e crimes contra o patrimônio (roubo – outros, roubo de veículo e roubo de carga). O índice foi criado pelo Instituto Sou da Paz para facilitar uma avaliação que agregue várias dimensões da violência e da segurança pública no estado de São Paulo, agregando diferentes tendências criminais e permitindo uma comparação das estatísticas entre cidades e distritos policiais ao longo do tempo. São analisados, segundo esses critérios, os 139 municípios do estado e 86 DPs da capital com ao menos 50 mil habitantes.

“A criação do índice foi motivada pela compreensão de que a avaliação sobre a exposição à violência dos habitantes de determinado município ou distrito exige um olhar que considere a incidência de todos os crimes violentos. Buscou-se também a criação de uma ferramenta que permitisse comparar municípios e distritos no que diz respeito à vulnerabilidade aos crimes violentos, tanto entre eles como ao longo dos anos”, afirma Ivan Marques, diretor-executivo fo Instituto Sou da Paz.